Não se trata do que você viveu, mas sim de como assimilou

Publicado: dezembro 8, 2016 em Textos de Reflexão, Todo conteúdo

mulher-com-casa-na-cabec%cc%a7aVários estudos identificaram que as memórias não são imutáveis, e dentro delas existem distorções e criações próprias. Isto, em outras palavras, significa que o que você viveu no passado deixa uma marca da qual você não lembra exatamente, mas sim de acordo com a interpretação que você construiu para entender o que aconteceu.

Na verdade, o fio condutor da maior parte das nossas memórias não eram os próprios eventos em si, mas o significado que eles tiveram para nós. Vamos ver isso com um exemplo. Duas pessoas foram abandonadas por seus pais quando eram muito pequenas. Ambas sofrem um grande impacto por isso, mas uma delas inicia um processo para entender como e por que isso aconteceu.

Anos mais tarde, esta pessoa se lembra de tudo como um evento triste, mas sabe e entende as circunstâncias em que ocorreu. Por outro lado, a outra pessoa, que não digeriu a experiência, tem simplesmente memórias vagas e imprecisas, mas também um forte sentimento de dor e raiva.

Então, em última análise, nunca se trata do que você viveu, mas sim de como você conseguiu assimilar a situação. Grande parte das razões para sentir tristeza ou ansiedade estão nessas experiências passadas que, por não terem sido digeridas, continuam sendo um fator que influencia a vida de maneira negativa.

O que você viveu e sua interpretação

Os seres humanos não são um computador mulher-correndo-entre-relogiosque simplesmente coleta dados e tem todos
eles à disposição
. A memória desempenha um papel muito especial na vida dos seres humanos. O passado é realmente um conceito muito complexo, porque embora seja algo que você viveu, pode ter uma força muito importante no seu presente. Mesmo que você não perceba isso.

Aqui podemos usar a velha metáfora do edifício. Primeiro as fundações são feitas e, em seguida, devem ser construídos sobre elas os andares. Se a fundação não for bem feita, provavelmente um dos andares começará a rachar, sem que haja um motivo aparente. Ou o edifício como um todo pode começar a afundar ou ou desmoronar no caso de um terremoto.

Isso é exatamente o que acontece com um ser humano. As bases do que uma pessoa é são construídas nos primeiros anos de vida, que são, em geral, aqueles que quase todos nós esquecemos. Depois disso, cada experiência é somada e interpretada de acordo com a base de consciência que já está formada. E se a fundação está afetada, por algum motivo, é possível que já na vida adulta apareça uma rachadura ou instabilidade que pode colocar tudo em risco.

A coisa boa sobre tudo isso é que embora seja possível usar a metáfora do edifício para compreender, o ser humano é muito mais complexo, mas ao mesmo tempo mais flexível. O que aconteceu no passado pode ser lido de uma forma mais construtiva e proveitosa graças à compreensão. Isso quer dizer que tudo que você viveu pode se tornar melhor ou pior, tudo depende da sua interpretação.

É possível reinterpretar o que você já viveu

roda-memoriaPor natureza, tendemos a evitar e tentar esquecer as experiências negativas. Se você vivenciou um abandono, uma rejeição ou uma experiência traumática, é mais seguro tentar colocá-la de lado e não pensar muito sobre isso, para não mergulhar em uma cadeia de pensamentos que pouco contribuem para o seu bem-estar emocional.

No entanto, quando você não se dá tempo para assimilar isso que viveu, em vez de realmente esquecer, o que você consegue é manter essa experiência viva em seu inconsciente. Isso resulta nessas tristezas ou nessas angústias para as quais não parece haver uma explicação.

Mais do que aquilo que você viveu, o que importa é a maneira como você estruturou a memória. Se você optar por uma perspectiva vitimista para interpretar o que aconteceu, você verá suas experiências passadas através dessa lente da autopiedade. Se você escolher uma visão defensiva, o que viveu será apenas mais uma razão para desconfiar dos outros ou para estar nessa atitude de vingança para com as pessoas, apesar de não terem feito nada.

É importante aprender a desconstruir o que você viveu. Isto significa que você deve tomar os fatos ocorridos e assumir um ponto de vista que o encaminhe para a compreensão. Não apenas levar em conta o que aconteceu, mas tentar colocar-se no lugar daqueles que possam tê-lo machucado.

Talvez você descubra que o que os motivou não foi a crueldade ou o egoísmo, mas sim suas próprias limitações ou frustrações. Talvez você também entenda que a melhor maneira de fazer justiça não é esquecer, mas sim aprender a olhar como alguém que passou por uma experiência negativa, mas que também merece superá-la e ser feliz.

comentários
  1. Jailson Rolim disse:

    Showww, muito bom Post.
    Isso reflete a cada um de nós, cabe a si escolher “viriminsmo ou aprendizado contínuo”.

    Abs Reh

Obrigada por fazer parte desse Blog..

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s