Verdadeiro Amor

Publicado: maio 27, 2013 em Textos de Reflexão, Todo conteúdo
Tags:, , , , , ,

oUm famoso professor se encontrou com um grupo de jovens que falava contra o casamento.

Argumentavam  que o que mantém um casal é o romantismo e é preferível acabar  com a relação quando este se apaga, em vez de se submeter à triste monotonia do matrimônio.

O mestre disse que respeitavam sua opinião, mas lhes contou a seguinte história.

-Meus pais viveram 55 anos casados. Numa manhã  minha mãe descia as escadas para preparar o café e sofreu um enfarto. Meu pai correu até ela, levantou-a como pôde e quase se arrastando a levou até a caminhonete. Dirigiu a toda velocidade até  o hospital, mas  quando chegou, infelizmente ela já estava morta.

Durante o velório, meu pai não falou. Ficava o tempo todo olhando para o nada. Quase não chorou. Eu e meus irmãos tentamos, em vão, quebrar a nostalgia recordando momentos engraçados.

Na hora do sepultamento, papai, já mais calmo, passou a mão sobre o caixão e falou com sentida emoção:

-Meus filhos, foram 55 bons anos… Ninguém pode falar do amor verdadeiro se não tem idéi do que é compartilhar a vida com Alguém por tanto tempo,

Fez uma pausa, enxugou s lágrimas  e continuou:

-Ela e eu estivemos juntos em muitas crises. Mudei de emprego, renovamos toda a mobília quando vendemos a casa e mudamos de cidade. Compartilhamos a alegria de vê-los concluírem a faculdade, choramos um ao lado do outro quando entes queridos partiam. Oramos juntos na sala de espera de alguns hospitais, nos apoiamos na hora da dor, trocamos abraços em cada Natal e perdoamos nossos erros…

Filhos, agora ela se foi e estou contente. E vocês sabem por quê? Porque ela se foi antes de mim e não teve que viver a agonia e a dor de me enterrar, de ficar só depois da minha partida.

Sou eu que vou passar por essa situação, e agradeço a Deus por isso. Eu a amo tanto que não gostaria que sofresse assim…

Quando meu pai terminou de falar, meus irmãos e eu estávamos com os rostos cobertos de lágrimas. Nós o abraçamos, e ele nos consolava, dizendo:

-Está tudo bem, meus filhos, podemos ir para casa. Este foi um bom dia.

E, por fim, o professor concluiu:

-Naquele dia entendi o que é o verdadeiro amor. Está muito além do romantismo e não tem muito a ver com o erotismo, mas se vincula ao trabalho e ao cuidado o que se professam duas pessoas realmente comprometidas.

Quando o mestre terminou de falar, os jovens universitários não puderam argumentar, pois esse tipo de amor era algo que não conheciam.

O verdadeiro amor se revela nos pequenos gestos, no dia-a-dia e por todos os dias.

O verdadeiro amor não é egoísta, não é presunçoso, nem alimenta o desejo de posse sobre a pessoas amada.

Quem ama, verdadeiramente, prefere sofrer a causar sofrimento. Prefere renunciar à própria felicidade para promover a felicidade de quem ama. Alguns dirão que quem age assim não tem amor-próprio, mas amor-próprio não quer dizer individualismo. O que geralmente acontece com o individualista, em caso de separação pela morte, é debruçar-se sobre o caixão e perguntar: “o que será de mim?”

Já aqule que ama e se preocupa com o ser amado, perguntará: “o que será dele? Ou o que será dela?”.

Isso demonstra que seu amor é grande o suficiente para pensar mais no outro do que em si mesmo.

E você, está aproveitando o seu relacionamento para construir um verdadeiro amor?

Espero que todos tirem um grande proveito desta história de amor, tiveram um final melancólico porque não houve a compreensão sobre o fato de que o amor está acima do romantismo, do sexo, do erotismo.

É muito mais gratificante um caminhar de mãos dadas, um ficar de mãos dadas, do que simplesmente procurar satisfazer desejos imediatistas. Pensem nisto.

 Moral da História

Homens e mulheres se amam para se salvarem, tanto a si mesmos como ao outro! Todos nós precisamos ser salvos e, para tanto, temos de pagar o preço. Por isso, também fomos agradecidos com outros dons como a tolerância, a compaixão, o perdão, a capacidade de superação e, especialmente, a humanidade… para que pudéssemos reconhecer o quanto  temos a aprender com o outro!

Dica

Quando você se perguntar “por que eu deveria continuar tentando, apesar  das dificuldades?”, pense nisso: porque é nesta relação, nesse vínculo que estabelecemos  em nome do amor, e com essa pessoa que atraímos e escolhemos que está o nosso passaporte para a evolução, para a autoconhecimento, para a cura de nossas doenças mais profundas e invisíveis… É pra isso que nos foi dado o dom de amar: para que possamos enxergar a nós mesmos por meio das atitudes do outro, por meio das imperfeições do outro.

Obrigada por fazer parte desse Blog..

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s